Comunicação da Diretora do AEMT

De repente o vazio instalou-se!
Acabaram os sons. O silêncio enche as salas, os corredores, a Escola. Acabaram os risos, as gargalhadas, os gritos, os sussurros e mesmo os ralhetes. Nada se ouve. Apenas poucos passos dos que, ainda, continuam a manter aberta a casa em prol dos que se ausentaram por força de um inimigo invisível.

São momentos inacreditáveis como os atuais que nos levam a compreender a alma de instituições como a nossa. As pessoas. São elas que edificam a Escola, são elas de quem sentimos falta, dos alunos que marcam toda a nossa ação, das famílias com as quais fortalecemos a ação educativa, dos docentes que, dia a dia, constroem o futuro e dos não docentes que estão na primeira linha dos nossos alunos.
Mas são os momentos difíceis que nos transformam, que nos desafiam a ser melhores e a dar valor ao que nos rodeia, ao vizinho que nos estende a mão, ao desconhecido que nos olha com o mesmo olhar de solidariedade, ao amigo que nos acompanha no dia-a-dia, a todas as pequenas coisas que, sem darmos conta, enchem as nossas vidas. E é nesses tempos, como os de hoje, que encontramos forças para continuar o caminho com garra, vontade de ultrapassar as adversidades, construindo um futuro melhor com muita esperança e união.

Enquanto esperamos os sons desejados que percorrerão, dentro em breve, os vários espaços do nosso agrupamento, vamos continuando com as tarefas inerentes ao processo de ensino aprendizagem, como os contactos mantidos entre professores e alunos para minimizar o afastamento e o esquecimento, assim como o processo avaliativo deste período que pode ser consultado na página do agrupamento (https://paginaaemt.wixsite.com/agrupamento ), utilizando o número do cartão de cidadão do aluno, conforme registado nos serviços de administração escolar (Secretaria).

Os tempos atuais exigem mudanças em todos nós, adaptações que não são fáceis nem instantâneas, contudo os desafios ganham-se dia a dia, com paciência e confiança. Esperamos, em conjunto com toda a Comunidade Torguiana, poder dar as respostas que este momento exige para continuarmos a ser a segunda casa dos nossos alunos e recomeçar nova etapa.

“ Cura
E as pessoas ficaram em casa.
E leram livros e ouviram.
E descansaram e se exercitaram.
E fizeram arte e brincaram.
E aprenderam novas maneiras de ser.
E pararam.
E ouviram fundo.
Alguém meditou
Alguém orou
Alguém dançou
Alguém conheceu sua sombra
E as pessoas começaram
A pensar de forma diferente.
E pessoas se curaram
E na ausência de pessoas que viviam de maneiras
Ignorantes,
Perigosas, sem sentido e sem coração,
Até a Terra começou a se curar.
E quando o perigo terminou.
E as pessoas se encontraram.
Lamentaram pelas pessoas mortas.
E fizeram novas escolhas.
E sonharam com novas visões.
E criaram novos modos de vida.
E curaram a Terra
completamente.”
Kathleen O´Meara, 1869

post29.png